O que é microcefalia?

A microcefalia é uma condição caracterizada fisicamente pelo tamanho do crânio e do encéfalo abaixo do tamanho considerado normal. Essa condição afeta o amadurecimento cerebral e diminui a qualidade de vida do indivíduo, afetando o seu desenvolvimento.

Durante os primeiros anos de vida, a cabeça da criança com microcefalia se desenvolve de maneira abaixo do esperado se comparada a padrões de crianças saudáveis. Devido ao tamanho menor em relação a média, surgiu o nome microcefalia.

Considera-se que uma criança tem microcefalia quando nasce com perímetro do crânio igual ou inferior a 31,9 cm sendo menino, e, para menina, igual ou inferior a 31,5 cm. Os ossos do crânio ao nascimento estão separados, e na microcefalia ocorre a fusão desses ossos muito cedo, impedindo o crescimento e o desenvolvimento do cérebro, consequentemente alterando a capacidade mental.

Um exemplo da separação dos ossos do crânio ao nascimento é a presença de moleiras na cabeça dos recém-nascidos, esse fato é normal e comum aos bebês. Essa separação é importante para o crescimento do cérebro, que normalmente aumenta de tamanho rapidamente durantes os primeiros anos de vida da criança.

Mas na microcefalia as alterações no tamanho desses ossos e provável consolidação dos mesmos já ao nascimento, impede o cérebro de evoluir como deveria, podendo trazer ou não consequências graves para a criança.

Esse crescimento irregular pode acontecer já durante a gestação ou se manifestar até mesmo depois do nascimento.

Causas da microcefalia

Muito se falou da relação entre a microcefalia e o vírus da Zika após o surto da doença em 2015, mas outros fatores além da infecção pelo vírus da Zika podem causar a alteração congênita.

Antes da confirmação da relação com o Zika a principal causa da microcefalia era genética, porém muito rara, apenas se manifestava quando a criança apresenta os dois genes recessivos para a microcefalia. Neste caso o bebê recebe os genes de ambos os pais.

Existe também as causas de microcefalia por fatores externos ou ambientais. No Brasil, a causa externa mais comum da doença é a infecção pelo zika vírus. Além do Zika, infecções causadas por citomegalovírus, rubéola, sífilis, herpes ou parasitas como o da toxoplasmose – geralmente encontrado em carnes mal cozidas – também podem provocar a microcefalia.

Tratamento

Ainda não há um tratamento específico para a doença, mas todo trabalho realizado visa controlar as complicações, estimular habilidades e proporcionar melhor qualidade de vida. Para isso é necessário uma equipe de profissionais de diferentes especialidades como fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicólogos, enfermeiros, pediatras, neuropediatras, gastopediatra, alergistas entre outros.

O IPESQ utiliza como método de tratamento o Bobath que busca ensinar a criança a controlar melhor os seus movimentos e o corpo por completo. Quando a criança adquire melhor controle e estabilidade inicia-se outra etapa do tratamento na qual pode-se estimular com mais intensidade os movimentos, melhorando o controle. Nesta segunda etapa a criança é colocada em um macacão ortopédico suspenso por ganchos que distribuem o peso e estabilizam a criança, a partir daí o fisioterapeuta tem maior liberdade no estímulo dos movimentos.