Criado e desenvolvido no início dos anos 1940 pelo Dr. Karel Bobath (Médico) e Berta Bobath (Fisioterapeuta), o método traz uma abordagem de tratamento clínico para adultos acometidos por derrames cerebrais (AVC) e para crianças com Paralisia Cerebral.

O método oferece através de uma abordagem interdisciplinar o gerenciamento do indivíduo com limitação visando a participação total em tarefas do cotidiano, devido a danos motores, (incluindo tônus muscular e padrões de movimento)  funções sensoriais, perceptivas e cognitivas.

A técnica é dirigida para a melhora da função motora. Por isso enfatiza a inibição/integração de padrões posturais primitivos, promovendo o desenvolvimento de padrões posturais normais para a normalização do tônus muscular.

O Bobath realiza os estímulos com transferência de peso com exercícios em bola suíça, rolos, andadores, entre outros, com isso o paciente aprende a ter melhor controle do corpo e noção espacial.

No caso das crianças, o tratamento precoce a ajuda a estabelecer esquemas mais fundamentais de acordo com o desenvolvimento motor da criança, isso porque quanto mais nova, mais movimentos primários as crianças apresentam.

Principais técnicas de estimulação no Bobath:

1) Suporte de peso, pressão (compressão), resistência.

Em crianças espásticas (com rigidez nos músculos) evitamos as posturas estáticas e busca-se estimular os movimentos de ajustamento através de transferência de peso constante em grandes amplitudes, para os lados, para frente, para trás, e diagonalmente, com pressão e resistência em várias posições e atividades.

No caso das crianças que apresentam falta de coordenação dos movimentos musculares voluntários e do equilíbrio, dificultando a execução de tarefas ordinárias da vida como o andar são usadas as mesmas técnicas, porém de forma mais estática em pequenas amplitudes.

2) Placing (Colocação) e Holding (Manutenção):

O placing é a habilidade de interromper um movimento do corpo em qualquer etapa de maneira automática ou voluntária. É um auto-ajuste postural que demanda um ajuste automático dos músculos às mudanças de postura.

Já o holding é a habilidade de manter e controlar o movimento sem ajuda. No Bobath o paciente é estimulado a manter e controlar os movimentos sem ajuda, com variação das etapas e amplitudes.

3) Tapping:

Tapping é usado frequentemente em combinação com placing. É usado para aumentar o tônus postural do tronco e dos membros através de estimulação proprioceptiva (consciência dos movimentos produzidos pelos nossos membros) e tátil em crianças que apresentam movimentos involuntários de pequena amplitude; falta de equilíbrio e falta de coordenação motora em atividades musculares voluntárias; pouco controle da cabeça e do tronco e; salivação, por exemplo.

Essa técnica pode ser dividida em quatro formas:

Inibição: Ativa grupos musculares fracos que não conseguem contrair-se como resultado da atividade excessiva dos músculos antagonistas (músculos que realizam o movimento contrário aumento da resistência ao movimento passivo das articulações

Pressão: Serve para aumentar o tônus postural para a manutenção da postura contra gravidade; É feito para obter co-contração para manutenção da postura; Ativa a contração simultânea de agonistas e antagonistas; É usado em atetóides e atáxicos que tem mobilidade excessiva, falta de fixação e não sustentação do tônus postural.

Alternado: Serve para obter graduação apropriada da inervação recíproca e para estimular as reações de equilíbrio.

Deslizamento: Serve para ativar padrões sinérgicos da função muscular pela estimulação de grupos musculares específicos responsáveis por aquela ação, com um movimento de alisar firme na direção do movimento desejado.

 

Concluindo, o Bobath é uma técnica utilizada no tratamento das nossas crianças, de acordo com o grau e evolução de cada uma delas, no qual o fisioterapeuta adapta o método para obter os melhores resultados possíveis!